Sobre as nossas palavras

As nossas palavras não são simplesmente “palavras”. A nossa palavra é o nosso mundo, o lugar de onde viemos, os lugares por onde nós passamos e o lugar onde estamos. A nossa palavra, somos nós. Falar é sair de si, exteriorizar-se existir. A palavra nos põe no mundo e diz ao mundo, quem somos. Conversamos para dizermos, para nós, pros outros, para o mundo, quem somos. Nossa palavra nos dá a conhecer. Por isso, nós os seres da palavra, sempre tivemos muito cuidado com as nossas palavras. Elas nos “humanizaram”, nos fizeram sociais, criaram civilizações, gestaram a história, e a mais importante das conquistas civilizatórias: o diálogo. A nossa história é feita das nossas palavras, a sociedade e a civilização, de diálogo.
Pensar, falar, escrever, pensar o escrito, e novamente pensar o falado, pensar o escrito, e falar, e escrever. Assim como acontecer na vida, no existir, acontece na filosofia. Palavras não são simplesmente palavras. É a existência humana e a filosofia, acontecendo.
Quando no passado, nossos pais e avós diziam: “te dou a minha palavra”, eles estavam fazendo muito mais do que firmar um compromisso, um contrato, um negócio jurídico. Eles estavam dizendo “quem” estava ali, com “quem” o interlocutor estava falando.  Ao dizerem: “te dou a minha palavra”, se afiançavam na história pessoal, nas relações familiares e sociais, nos seus valores, no caráter – marca indelével que acompanha, ou não, a palavra.

Dentre as muitas coisas que perdemos, nos tempos hodiernos, a de que mais sinto falta é a “força” da palavra. Vivemos sufocados por palavras e nunca se falou tanto sobre tanta coisa. Mas isto não tem sido de valia, para nos darmos a conhecer e para conhecermos os outros. As palavras carecem de serem acompanhadas das pessoas. E sempre que dialogamos, não queremos as palavras, queremos as pessoas. Encontrar nelas o “existir”. E paro por aqui, pois, “quem fala demais dá bom dia ao cavalo” – não que “ele” não mereça! 

Comentários

  1. Boa tarde!
    " a palavra".
    o tema a palavra, tem sindo a cada dia, por uma simples razão chamada a comunicação, e por meio da palavra que os individuos ser conhece ou passa a ser conhecer, ou seja a aquela questão que e muito antiga," ser o Senhor falou eu acredito" ou eu confio na sua palavra.
    estamos vivendo em uma sociedade a onde os valores( palavra) tem sindo a cada dia desconfiados por razão de os individuo não cumprir com suas palavra que falam.
    exemplo os nossos dias, e epoca de eleções, e tantas palavra de promessa, falada e quase nenhum cumprida.
    um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Confiança é um dos motes que dá sentido a Verdade. Mas, vivemos em tempos de discursos vazios ou carregados de intolerâncias. Intolerâncias vendidas como verdades absolutas e fundamentada.
    Cabe cada vez mas a recomendação nietzscheanade recorremos a uma faculdade bovina, a saber, ruminar...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexões sobre a BNCC

Afinal, o que torna o homem um ser possuidor de humanidade?