Uma crônica sobre a compreensão


Um erro muito comum ao ensinar é subestimar aquilo que o aluno não sabe. Me parece que boa parte da incompreensão em sala de aula tem origem no fato de o professor pressupor conceitos, ideias e regras que o aluno já deveria saber para estar naquela  série. E quando detectamos esses lapsos, nossa reação de surpresa, espanto e até mesmo indignação ("Mas como vc não sabe isso!!?) tende a fechar muitas portas na comunicação educador-educando.

O relato do vídeo a seguir (dezembro de 2014) nos leva a pensar sobre qual o ponto de partida para uma relação realmente produtiva de conhecimento e o tempo e dedicação que isso demanda.
A esse respeito venho tentando praticar uma postura de abertura e boa vontade diante de qualquer coisa que um aluno não saiba, independente de sua idade ou posição; sem juízos de valor.  "Não sabe, vamos aprender."  Infelizmente a dura rotina do sinal sonoro, das avaliações e notas não nos deixa muito tempo para brincar de aprender. Já dizia meu amigo e filósofo Dr. Evandro Brito:  "Quem estuda não tem tempo de aprender"! Ainda assim, é sempre possível falar sobre muitas coisas.

Mas levando o assunto mais para o lado da epistemologia (Teoria do conhecimento), é bastante comum que o professor pressuponha uma simetria de compreensão entre o que é falado por ele e ouvido pelo aluno; ou expresso por um texto e lido pelo aluno. Mas e quando o nível de compreensão fica muito aquém do esperado? Como medir isso?  Será que a ausência de dúvidas significa necessariamente a presença de conhecimento? Ou, no mais das vezes, representa um indicativo de que a compreensão não chegou a níveis mínimos para um diálogo? É preciso que o professor se torne um curioso sobre a compreensão humana, um pesquisador e experimentador da cognição.


Para depois do vídeo:

*ao falarmos sobre o "urbano", perguntei para a menina se ela conhecia alguma cidade grande. Ela disse:   "Florianópolis."  Então comecei a perguntar rápido: "Nunca foi para Porto Alegre, para Curitiba, São Paulo. Rio de Janeiro, Brasília?
Enquanto ela ria, eu disse: "Brasília eu também nunca fui."
 Enquanto seguíamos conversando ela passou a procurar sobre Brasília no computador, deixando de lado o assunto "Japão".

**É claro que se chego em uma sala com um texto ou outro material didático com a mesma mensagem visualizada no site pela menina, os alunos vão lidar com isso de acordo com suas diferentes capacidades de interpretação. Mas o ponto é que o espaço da sala de aula permite essa interação "dissimulada", onde o aluno maneja o material, sem ter realmente consciência do que está fazendo. Como todos estão fazendo o mesmo , o contexto coletivo não permite que o professor se dê conta do quê realmente cada aluno está absorvendo daquilo.  Pense nesse trabalho individual e na realidade de uma sala de aula com 30 a 35 alunos e terá a realidade da educação escolar! (Rousseau talvez esteja se remexendo no caixão!).

Comentários

  1. Primeiro gostaria de parabenizar pelo blog. Me formei em filosofia na unisul e na minha época não tínhamos essa ferramenta. Saudades também do Dante, Grande Mestre.
    Quanto ao vídeo e o relato creio que o que se pode perceber desse fato é o resultado de um investimento de longo prazo pela parcela dominante da população, bourdieunianamente falando, com o intuito de falir o ensino e emburrecer a população, de forma apenas a continuar a formação da mão de obra. Algo que continua a ocorrer de forma cada vez mais e mais eficiente. Caso claro é a reforma do ensino médio proposta pelo atual "governo". A possibilidade de os alunos escolherem se tornar mão de obra mais cedo que o normal é uma afronta a quem pensa. A partir do momento em que se "escolhe" abandonar o currículo geral, que dá uma possibilidade mais alargada de futuro, esse aluno que acredita estar fazendo uma "escolha" na verdade está se condenando a um caminho único, pois se a reforma passar dessa forma em breve se terá que se modificar a forma de acesso a universidade, pois quem fez o currículo profissionalizante não tem como passar no ENEM como ele é hoje, e não tem como acompanhar o curso superior como ele é hoje, logo com a mudança na matriz curricular do nível médio um efeito dominó será lançado sobre todo o modelo de formação posterior onde as peças que caem são os próprios cidadãos. Essa menina de 6 anos é só o resultado de décadas de sucateamento do ensino no país, é o golpe de mestre do dominante sobre os dominados que se quer conseguem ver isso...

    ResponderExcluir
  2. Sem dúvida Klaudio, tenho visto esse "estado" de meus estudantes como um resultado de algo que vem se arrastando desde as séries iniciais. Sem dúvida, o sucateamento da escola pública é um fator condicionante muito importante, mas creio que há outros mais, como a crescente alienação de todos nós em tudo o que estamos fazendo, resultado da fragmentação do conhecimento na era da hiperinformação. Às vezes tenho a impressão de que estamos nos esquecendo o que é ensinar (principalmente a pensar), por conta de um processo automático de ensino já vigente há muito tempo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexões sobre a BNCC

Afinal, o que torna o homem um ser possuidor de humanidade?